Agora sou uma arqueóloga em perigo na ilha de Yamatai (Jogo "Tomb Raider", 2013)



Atualmente estou jogando "Tomb Raider", game lançado em 2013 pela Crystal Dynamics e Square Enix. Este é um prelúdio das aventuras da jovem arqueóloga Lara Croft, que sai em uma expedição ao Japão, cujo objetivo é procurar pelo reino perdido de Yamatai (existem debates se de fato Yamatai existiu). De acordo com um mito, Yamatai era governada pela rainha Himiko, que possuía poderes xamânicos. Porém, o navio da expedição sofre um naufrágio e os sobreviventes param em uma ilha misteriosa onde todos devem lutar por sua vida.




A jogabilidade é bem simples, mas às vezes você precisará ser rápido ao olhar as dicas de comando. Mas, existem três modos de jogo: fácil, normal é difícil.





Já em relação à arqueologia ela não é o foco (ao menos até onde cheguei), mas ainda assim ela está presente em algumas situações. No painel do jogador, por exemplo, tem uma área de conquistas pessoais e dentre elas tem as qualificações. Algumas são de teor duvidoso, a exemplo de "Caçadora de relíquias", entretanto, outras são interessantes como "Historiadora" onde a personagem deve se mostrar boa procurando por documentos como também "Arqueóloga" onde ela precisa coletar relíquias.



E falando e relíquias, enquanto estiver jogando você terá a oportunidade de explorar áreas e coletar alguns artefatos arqueológicos, como é o caso desta máscara Noh representando Hannya:



E claro, passar por alguns sítios arqueológicos como templos antigos e até ver sítios subaquáticos:

Lara em frente a um Tori



Quando comentei no Instagram que estou jogando "Tomb Raider", algumas pessoas pediram por um Gameplay. Contudo, não faz parte dos meus planos. Mas planejo gravar um vídeo comentando-o arqueologicamente. Não será para o Arqueologia Egípcia e sim para o Descobrindo o Passado.



Nenhum comentário: